"Secret Garden", o ótimo retorno do Angra

Posted by TRMB | Posted in , | Posted on 13:27

0

Passando pela sua terceira grande reformulação, agora com o italiano Fabio 'estan cansadinhos?' Lione (Rhapsody of Fire, Vision Divine) no vocal e com Bruno Valverde na bateria, o trio remanescente, Kiko Loureiro, Rafael Bittencourt (guitarras) e Felipe Andreoli, recolocou o nome da banda na cena do power/progressive metal com o lançamento de Secret Garden, que saiu primeiro no Japão em dezembro de 2014 e no resto do mundo em janeiro de 2015.
Secret-Garden---1400px
Trata-se de um disco conceitual, contando a história de um cientista que perde sua esposa e seu trabalho e passa a questionar sua fé e seus conceitos após isso. Segundo o guitarrista Rafael Bittencourt, o fato de a banda ser formada por membros com diversas religiões (Rafael é umbandista, Fabio é católico, Bruno é protestante, Felipe é ateu e Kiko, segundo ele, "não tá nem aí") ajudou na composição desse lado mais espiritual das letras e nas fases que o personagem passa.
Musicalmente é o disco mais progressivo do Angra, já evidenciado logo na faixa de abertura Newborn Me, além dos singles Final Light e Storm of Emotions.
Uma outra novidade foi a presença constante de Rafael cantando. O guitarrista assume os refrãos da já citada Storm of Emotions, canta integralmente a progressiva Violet Sky e a pinkfloydiana Silent Call e divide com Doro Pesch os vocais em Crushing Room.
Há outra participação importante em Secret Garden: a holandesa Simone Simons (Epica) que canta sozinha a faixa título do álbum, uma emocionante semi-balada.
Ainda representando o lado progressivo - e maior - do disco, tem a excelente Upper Levels, que infelizmente não ganhou uma presença nos setlists da banda.
Do Angra mais power/speed metal tem as ótimas Black Hearted Soul e Perfect Symmetry que podem agradar em cheio os fãs de canções mais rápidas da banda.
Um ótimo retorno e certamente o melhor trabalho da banda em cerca de 10 anos. A atual formação tem tudo para amadurecer e retornar daqui um ano ou menos com um disco ainda mais forte e sólido - mesmo com a entrada de Kiko no Megadeth e sua substituição temporária por Marcelo Barbosa (Almah).
O disco foi produzido na Suécia por Jens Bogren e contou também com a participação de Bruno Sutter (Detonator) e Alirio Netto (Age of Artemis) em vocais de apoio.

Kid Rock: "First Kiss" foi um dos destaques do ano

Posted by TRMB | Posted in , | Posted on 14:49

0

A carreira de Kid Rock é interessante. De um dos ícones do nu metal passou a integrar o time dos que praticam o Southern Rock. E First Kiss é um disco delicioso de ouvir do início ao fim. Para quem, como eu, adora aquela sonoridade southern, blues, country, que remete ao Sul da América é um prato cheio.
kid rock
As letras são um caso à parte. Boas histórias, divertidas, que te fazem mergulhar no clima da canção e querer escutar esse disco sentado em uma cadeira de balanço segurando uma espingarda na sua fazenda no Texas. A faixa-título, Good Times, Cheap Wine e Johnny Cash (dispensa comentários) mostram bem isso.
Impossível não destacar as excelentes Drinking Beer With Dad Best of Me.
Kid produziu o disco com o auxílio de Dan Huff em algumas faixas. Todos os instrumentos soam bem. Uma produção cristalina, nada fora do lugar e nada em cima de nada.
Excelente. Rock n' Roll agitante e relaxante ao mesmo tempo.


"Rock N' Roll" com o Buckcherry

Posted by TRMB | Posted in , | Posted on 10:03

0

O título do álbum é simples, certeiro e reflete bem o som da banda: Rock n' Roll.
buckcherry-rock-n-roll-artwork
Seguindo a velha tradição americana de bandas que fazem aquele rock n' roll mais potente, hard rock sem deixar o Rolling Stones de lado, os caras chegaram ao seu sétimo trabalho, produzido pelo próprio guitarrista Keith Nelson.
Bring It On Back abre o disco flertando um pouco com os anos 90, Tight Pants vem na sequência com sopros e festa garantida. A bela balada The Feeling Never Dies abre o caminho para as ótimas Cradle The Madness.
Rain's Falling mostra a versatilidade da banda em um arranjo mais blues, às vezes quase jazz. Pena que a voz de Josh Todd não combina muito com isso.
Sex Appeal Get With It encerram o disco de forma digna, são duas das melhores do trabalho.
Rock N' Roll ainda conta com as boas Wish To Carry On Wood.
Um bom disco que mostra que o Buckcherry é mais uma daquelas bandas certas na época errada...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...