Bon Jovi: Tico Torres fora do Rock in Rio

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 14:43

0



O baterista Tico Torres vai ficar de fora do Rock in Rio. Torres passará por outra cirurgia, para remoção da vesícula. Seu substituto será Rich Scannella, músico de Nova Jérsey.

A banda toca esta noite no Rock in Rio.



Morre Pete Gentil, baixista do Dealer

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 11:21

0



Morreu no último sábado (14), vítima de um acidente de moto, o veterano baixista da banda Dealer, Pete Gentil, de 52 anos.

A polícia acredita que a motocicleta do músico tenha colidido com um cervo na rota B4425, próxima à sua casa, em Cirencester, Gloucestershire. 

A B4425 é o lugar  favorito entre os motociclistas locais, que apreciam sua boa visibilidade, porém acidentes com animais naquela região são recorre
ntes.

Nightwish: detalhes do novo DVD 'Showtime, Storytime' revelados

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 11:09

0



O Nightwish revelou a arte da capa e mais detalhes sobre seu novo DVD ao vivo.

'Showtime, Storytime' trará a apresentação da banda no lendário Wacken Open Air - o maior festival de heavy metal do mundo -  com duração total de 85 minutos. O show foi  dirigido por Ville Lipiäinen que também foi o responsável pela direção do documentário de 120 minutos chamado  'Please Learn The Setlist in 48 Hours'  contido no segundo disco. Além de tudo isso, há  clips das músicas "I Want My Tears Voltar '(Live at Hartwall Arena) e' Ghost Love Score '(Live in Buenos Aires).

Confira o tracklist do DVD do show:


01. Dark Chest Of Wonders 
02. Wish I Had An Angel 
03. She Is My Sin 
04. Ghost River 
05. Ever Dream 
06. Storytime 
07. I Want My Tears Back 
08. Nemo
09. Last Of The Wilds 
10. Bless The Child 
11. Romanticide
12. Amaranth 
13. Ghost Love Score 
14. Song Of Myself 
15. Last Ride Of The Day 
16. Outro (Imaginaerum)

O DVD tem lançamento previsto para 29 de novembro nos seguintes formatos:
Blu-ray duplo + CD duplo,  DVD duplo + CD duplo, CD duplo e LP duplo.

Ouça "Black Heart", nova música do Stone Temple Pilots

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 10:56

0




"Black Heart" é parte do EP High Rise.

Confira:




Assista ao novo clipe de "Blood Host", da banda Scar The Martyr

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 10:49

0



Scar The Martyr é o novo projeto do batera do Slipknot, Joey Jordison, que conta com o vocalista Henry Derek, o tecladista Chris Vrenna e os guitarristas Jed Simon e Kris Norris.

O álbum da banda está previsto para ser lançado no dia 1º de outubro.

Confira o vídeo:




Dream Theater (2013): superando as expectativas

Posted by TRMB | Posted in | Posted on 20:36

0

No mundo da música – ou da música que é levada a sério – é comum o “teste do segundo disco”. Após um bem sucedido primeiro álbum, a banda é de certa forma obrigada a superar o anterior, manter o número de vendas, shows, fãs etc.

Mas por que falar nisso em uma resenha do Dream Theater, banda que chega ao seu 12° lançamento, nomeado apenas como Dream Theater, em 2013? Justamente porque tal álbum é o segundo trabalho da banda sem o seu antigo líder, mentor e “dono”, Mike Portnoy, que foi substituído em 2010 pelo excelente e tecnicamente tão bom quanto, Mike Mangini.

A Dramatic Turn of Events (2011) foi ótimo e trouxe algumas características mais melódicas de volta à sonoridade da banda e seguiu-se uma turnê mundial de muito sucesso e uma aceitação completa do novo baterista – mesmo que os fãs do antigo sejam verdadeiros xiitas. 

Dream Theater (2013, produzido por John Petrucci) chega para mostrar que a banda continua no mesmo alto nível e com um detalhe importante: se no disco de 2011, Mangini não participou do processo de composição (tocou apenas o que  Petrucci havia programado com uma batreria eletrônica), desta vez o baterista se viu 100% participante e sendo assim podemos “julgar” também sua criatividade de composição em uma banda tão versátil como o Dream Theater. E o saldo é extremamente positivo.




Em False Awakening Suite a banda quis criar um tema tenso o suficiente para ser a abertura de um espetáculo. Petrucci e o vocalista James LaBrie já disseram que cansaram de usar trilhas sonoras de filmes clássicos para abrir seus shows e decidiram compor uma própria. E não fizeram feio. Com quase 3 minutos de duração, é cheia de nuances, complexidade e cria um clima de que algo grandioso está por vir e exatamente como um soco na cara vem o riff de The Enemy Inside, onde Mangini já mostra a que veio logo nos primeiros segundos, com linhas e viradas incríveis no ritmo completamente frenético da canção. Fácil de notar também uma participação mais “na cara” do baixista John Myung, que soa incrível em todas as faixas, além da guitarra bem heavy nas estrofes.

The Looking Glass tem riffs e levadas bem próximas ao hard rock (progressivamente falando) e tem tudo para ser um ponto alto dos shows – e ainda conta com um solo incrível em um tempo mais lento com uma base espetacular da cozinha Myung/Mangini. Um dos momentos mais bonitos aqui.

Um dos grandes destaques do trabalho é Enigma Machine, faixa instrumental que tem tudo o que os fãs da banda gostam: passagens quebradas, intrincadas, solos de guitarra, teclado, baixo e bateria, riffs pesados e melodias que ficam na cabeça. Ainda não supera The Dance of Eternity (faixa instrumental presente em Scenes From a Memory, de 1999), mas é a segunda melhor em toda a discografia dos americanos.

Bem na metade do play vem a balada The Bigger Picture, onde o feeling do vocalista e do guitarrista se destaca sobre o resto. Behind the Veil começa com um clima sombrio e triste criado pelo tecladista Jordan Rudess e prenuncia um tema pesado, com bastante groove e um refrão mais emocional que pode resultar em um grande momento ao vivo. Surrender to Reason é mais melódica e mostra a habilidade de John no violão e teve a letra composta pelo baixista John Myung. Along for the Ride tem um interessante solo de teclado com um timbre bem melódico de Rudess, que aliás fez um grande serviço no disco todo, e mostra aquilo que já escrevi sobre a veia mais melódica da banda estar de volta.


Para finalizar não podia deixar de ser a longa suíte com mais de 22 minutos de duração, The Illumination Theory. Se no lançamento anterior a banda dividiu a atenção nas longas composições, tendo pelo menos 4 com mais de 10 minutos de duração, neste play somente esta composição ultrapassa os 10 minutos. E ultrapassa duas vezes. Tem tudo o que uma longa suíte progressiva precisa ter: uma introdução climática, riffs pesados, boas melodias vocais, um bom refrão, um clima cinematográfico no meio da canção, que prepara para o solo de guitarra que antecede o gran finale de forma épica. Escrevendo assim parece fácil. Parece matemática. Mas pouca gente tem a capacidade e criatividade de criar algo assim e não espantar o ouvinte após os 5 primeiros minutos. O Dream Theater consegue deixar o ouvinte até o final e ainda pedir por mais.

Após ouvir por 4 ou 5 vezes, chega-se a conclusão de que a escolha do próprio nome para intitular o trabalho não foi à toa, porque mais Dream Theater do que Dream Theater, impossível. Tudo o que a banda já fez e tudo o que ela significa você encontra condensado nessas nove faixas.

Destaques individuais: Mike Mangini não deve temer a sombra de seu antecessor. A banda parece cada vez mais abraçar sua estadia e esquecer os fantasmas do passado. O baterista mostrou-se um ótimo compositor, criou linhas e viradas incríveis que aliados à sua sobre-humana técnica (podem sublinhar o sobre-humana) fazem um trabalho simplesmente espetacular. John Petrucci variou mais seus solos, usando efeitos e variantes que vão dos mais belos e suaves melodias até os mais frenéticos, passando pelos mais fusion, curiosamente podemos notar um pouco de cada dessas características na acima citada canção The Illumination Theory. John Myung aparece neste disco mais do que em qualquer outro nos últimos 10 anos, no mínimo. Linhas fortes e técnicas que farão os fãs do baixista ficarem em êxtase. James LaBrie não tem mais os agudos de antigamente e parece ter aprendido isso. Canta dentro da sua voz o álbum todo e não exagera em momento algum, indo até onde o seu limite atual permite. Jordan Rudess continua o mesmo mago dos teclados. O grande herói das teclas da era moderna. Grandes solos, grandes passagens climáticas, grandes bases e a já conhecida virtuose.

A lamentar somente a fraca capa.

Carlos H. Silva

Nota: 9.0


Track List:
1. False Awakening Suite:
I. Sleep Paralysis
II. Night Terrors
III. Lucid Dream
2. The Enemy Inside
4. Enigma Machine
5. The Bigger Picture
6. Behind the Veil
7. Surrender to Reason
8. Along for the Ride
9. Illumination Theory:
I. Paradoxe de la Lumière Noire
II. Live, Die, Kill
III. The Embracing Circle
IV. The Pursuit of Truth
V. Surrender, Trust Passion

Manic Street Preachers e a sutileza marcante de Rewind the Film

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 15:37

0




Depois de três anos de espera o Manic Street Preachers volta com um novo trabalho – Rewind the Film - carregado de uma sonoridade absolutamente grandiosa, assim como  a bela e imponente voz de James Dean Bradfield, presente em todo o trabalho.


 O  décimo-primeiro álbum da banda lançado no último dia 16 traz as participações especiais de Lucy Rose na delicada faixa "This Sullen Welsh Heart", Cate Le Bon  na doce "4 Lonely Roads" e Richard Hawley  em uma das composições mais sublimes da banda, a faixa-título "Rewind the Film", que mescla com suavidade e talento os vocais de Bradfield e Hawley numa saudosa viagem pela mente idosa do País de Gales. 
É uma canção nostálgica, bela e emocionante, do início ao fim. Já "Show Me the Wonder"  traz  melodia animada e bem elaborada, é a faixa mais “hit” do álbum. Foi feita sob inspiração de Elvis Presley.





O disco conta ainda com os destaques "Anthem For A Lost Cause", que tem instrumental calmo e refrão vibrante, desses que causam arrepios ao serem pronunciados, “3 Ways to See Despair” que segundo o baixista Nicky Wire em entrevista à NME fora escrita para Morrissey, “ficamos com medo de mostrar a ele, ele seria a única pessoa da qual não suportaríamos uma rejeição,” e com mais duas faixas que completam o álbum de maneira perfeita: “Manorbier” e “30 Year War”.

“Manorbier” traz a guitarra melodiosa de Bradfield - outro ponto forte do disco – em total harmonia com o baixo de Nicky Wire e a batera precisa de Sean Moore. Uma faixa instrumental que aos poucos vai se tornando de uma vibração forte, intensa e cativante.




O disco fecha com “30 Year War” que de acordo com a banda é uma canção  anti-Margaret Thatcher, composta antes mesmo de sua morte em abril desse ano. “É uma crítica ao ataque feito às classes trabalhadoras”, completou Wire na já citada entrevista à NME. A música tem uma sonoridade mais dançante e nem parece se tratar de uma letra rancorosa, marca registrada do trabalho do Manics, uma banda extremamente transformadora e provocadora.


Os caras definiram o álbum como o amadurecimento de ‘This is my truth tell me yours‘” de 1998, que contém as brilhantes “If You Tolerate This Your Children Will Be Next" e The Everlasting”. Eu como fã declarada acredito que eles continuam no caminho da boa música feita com simplicidade e vigor.


8,5


1.This Sullen Welsh Heart
2.Show Me The Wonder
3.Rewind The Film
4.Builder Of Routines
5. 4 Lonely Roads
6. (I Miss The) Tokyo Skyline
7. Anthem For A Lost Cause
8. As Holy As The Soil (That Buries Your Skin)
9. 3 Ways To See Despair
10. Running Out Of Fantasy
11. Manorbier
12. 30 Year War





Rascal Experience: “Bad Luck Experience” tem futuro promissor

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 13:55

0



Originalmente publicado no blog Cadê Meu Whiskey?



Esses dias recebi o material de uma banda nova, o Rascal Experience  de Florianópolis, que me surpreendeu positivamente, tanto por sua sonoridade – extremamente atual – como pelo talento precoce de seus integrantes. Os meninos fazem um indie rock de primeira que não deixa nada a desejar às grandes bandas do cenário.
Com influências de Strokes e Arctic Monkeys, a banda traz o EP “Bad Luck Experience” que conta com cinco faixas muito bem elaboradas e executadas. O profissionalismo já se nota de cara, com a criativa e simpática capa. Dei uma viajada aqui e imaginei esse EP em formato vinil. Essa capa ficaria show de bola.
Apesar de a banda ter se formado no ano passado, a sincronia entre os músicos parece óbvia em todas as canções, dando a impressão de que os caras tocam juntos há anos. A faixa “Intrésias” abre os trabalhos de maneira singela com um chiado adorável de vinil e riffs delicados  e logo dá  espaço à  “Demon of the Crop” que tem forte destaque para o baixo, muito bem executado.
As carismáticas “Fake Interest”  e “Different View”  foram as que mais me agradaram. Em ambas o riff certeiro da guitarra brinca em sintonia com a batera deixando as músicas extremamente positivas e cheias de energia. Eu apostaria facilmente nas duas como hits.



Por fim a acústica “Once” fecha de maneira mais suave o trabalho desta galera que tem um futuro promissor.  É uma pena que em nosso país bons talentos sejam tão mal divulgados e por isso estou dando uma forcinha simbólica pra estes caras porque acredito no potencial da banda.
Se você ficou curioso pra conhecer o trabalho do Rascal Experience, dá uma conferida aqui e no canal do youtube da banda.
“Bad Luck Experience” – EP
1. “Intrésias”
2. “Demon of the Crop”
3. “Fake Interest”
4. “Different View”
5. “Once” (Acoustic)
Rascal Experience:
Guitarra/Vocal: Victor Fabri
Bateria: Hédy Gabriel
Baixo: Renie dos Santos
Guitarra: Leonardo Gindri (Kotto)



Saxon lança nova compilação

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:59

0


O Saxon lançará "Unplugged And Strung Up" que ainda não tem data de lançamento e será uma coletânea com versões orquestradas e acústicas para músicas do grupo.

O álbum trará uma versão especial do disco  Heavy Metal Thunder, de 2002, onde a banda já havia regravado algumas de suas faixas.

Confira o tracklist:

01. Stallions Of The Highway (remix)
02. Crusader (orchestral version)
03. Battle Cry
04. The Eagle Has Landed (orchestral version)
05. Red Star Falling (orchestral version)
06. Broken Heroes (orchestral version)
07. Call To Arms (orchestral version)
08. Militia Guard
09. Forever Free (re-recorded version)
10. Just Let Me Rock (re-recorded version)
11. Frozen Rainbow (acoustic version)
12. Iron Wheels (live acoustic version)
13. Requiem (acoustic version)
14. Coming Home (acoustic version)


Iron Maiden: shows no Brasil serão gravados

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:56

0


Tony Newton, engenheiro de som do Iron Maiden  comentou em sua página do Facebook que os shows  da banda em São Paulo e no Rio de Janeiro serão gravados.

"Indo para o Brasil hoje para gravar  o Iron Maiden em São Paulo (20/09) e no Rockin Rio (22/09). Será ótimo encontrar com a banda e equipe, mas realmente não estou ansioso pelos dois longos vôos em seis dias."


Ainda não há informações sobre o futuro das gravações.



Bad Religion lança álbum com canções natalinas

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:52

0


O Bad Religion lança no dia 29 de outubro um álbum contendo 8 músicas natalinas e uma mixagem da faixa "American Jesus", originalmente lançada em 1993.

Confira o tracklist:


1. Hark! The Herald Angels Sing
2. O Come All Ye Faithful
3. O Come, O Come Emmanuel
4. White Christmas
5. Little Drummer Boy
6. God Rest Ye Merry Gentlemen
7. What Child Is This?
8. Angels We Have Heard On High
9. American Jesus (Andy Wallace Mix)



Confira "Rise Up", novo vídeo do Testament

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:49

0


"Rise Up" é parte do álbum  "Dark Roots Of Thrash" que tem previsão de lançamento para 11 de outubro.

Confira o tracklist e o vídeo:


01. Intro
02. Rise Up
03. More Than Meets The Eye
04. Burnt Offerings
05. Native Blood
06. True American Hate
07. Dark Roots Of Earth
08. Into The Pit
09. Practice What You Preach
10. Riding The Snake
11. Eyes Of Wrath
12. Trial By Fire
13. The Haunting
14. The New Order
15. Do Not Resuscitate
16. Three Days In Darkness
17. The Formation Of Damnation
18. Over The Wall
19. Disciples Of The Watch
20. Credits
DVD e Blu-Ray:
21. Imagens de
22. Native Blood (Videoclipe)





The Killers: caiu na rede a nova música. Confira “Shot At The Night”

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 20:41

0



“Shot At The Night”, produzida por Anthony Gonzalez, guitarrista do M83 é parte do álbum Direct Hits Album, compilação  do The Killers que tem lançamento previsto para 12 de Novembro.

O álbum trará alguns sucessos da banda  como “Mr. Brightside” e “When You Where Young" e duas faixas inéditas, “Just Another Girl" e  “Shot At The Night” que você confere abaixo:






Ouça "SIRENS", nova música do Pearl Jam

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 20:35

0





Sirens é parte do álbum "Lightning Bolt", que tem previsão de lançamento para 15 de outubro.

Confira:




Rush: banda confirma o lançamento de novo DVD

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 13:15

0



O Rush finalmente confirmou o lançamento do DVD "Clockwork Angels live" para 18 de novembro.

O DVD conta com 31 faixas, totalizando mais de três horas de entretenimento e incluindo também um documentário de 25 minutos, mais três curtas usados ​​durante os shows.

Confira o tracklist:

Set One:
01. Subdivisions
02. The Big Money
03. Force Ten
04. Grand Designs
05.The Body Electric
06.Territories
07. The Analog Kid
08. Bravado
09. Where’s My Thing?/Here It Is! (drum solo)
10. Far Cry
Set Two:
11. Caravan*
12. Clockwork Angels*
13. The Anarchist*
14. Carnies*
15. The Wreckers*
16. Headlong Flight*/Drumbastica (drum solo)
17. Peke’s Repose (guitar solo)/Halo Effect*
18. Seven Cities of Gold*
19. Wish Them Well*
20. The Garden*
21. Dreamline*
22. The Percussor (I) Binary Love Theme; (II) Steambanger’s Ball (drum solo)
23. Red Sector A*
24. YYZ*
25. The Spirit of Radio
Encore:
26. Tom Sawyer
27. 2112
Bonus:
28. Limelight (soundcheck recording)
29. Middletown Dreams
30. The Pass
31. Manhattan Project*
*With the Clockwork Angels String Ensemble

Special features (Blu-Ray/DVD only):
01. Can’t Stop Thinking Big (25 min. tour documentary)
02. Behind The Scenes (featuring Jay Baruchel)
03. Outtakes
04. Interview With Dwush
05. Family Goy
06. Family Sawyer
07. The Watchmaker (intermission tour film)
08. Office Of The Watchmaker (closing tour film)

Black Sabbath: veja teaser do novo DVD

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 13:08

0


O DVD " Live… Gathered In Their Masses" tem lançamento previsto para novembro e traz a banda na turnê australiana realizada nos meses de abril e maio deste ano, antes do lançamento de "13" álbum que marcou a volta de Ozzy Osbourne ao Sabbath, desde "Never Say Die", de 1978.

Confira:



Lobão critica Tributo a Cazuza no Rock In Rio

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:58

0



O cantor Lobão reclamou  na última sexta-feira em seu Twitter sobre a música "Vida Louca Vida", de autoria dele, ter sido cantada por Paulo Miklos no tributo feito para homenagear Cazuza no Rock in Rio. "Me sinto como o morto homenageado", disse o músico ao responder a pergunta de um seguidor anônimo.
De autoria de Lobão e Bernardo Vilhena, "Vida Louca Vida" ficou conhecida também pela voz de Cazuza. "É claro que deve estar horrível o mané lá cantando", escreveu o vocalista na rede social.
Lobão ainda postou em seu Tumblr uma série de críticas ao Tributo feito e também à organização do festival Rock In Rio.

"... a própria produção do tributo ao meu amigo (que não é a do RiR) já tinha me amputado de sua biografia e do filme sobre sua vida, deixando de forma bastante duvidosa e muito pouco escrupulosa a execução de Vida Louca Vida sem alguma explicação mais clara ao leitor/espectador de que se tratava de uma canção minha e de Bernardo Vilhena que Cazuza a interpretou e gravou depois dessa canção já ter sido um mega hit nacional por ocasião de seu lançamento original em 1987, no meu LP Vida Bandida.
Em terceiro lugar, vem a somatória disso tudo acontecendo nesse evento: Não me avisaram de nada,não me convidaram pra essa festa pobre, e ainda por cima me executam a canção sem, mais uma vez, mencionarem a verdadeira autoria, deixando de maneira cabotina e delinquente a impressão da música ser do Cazuza. Além do insólito fato de quererem manter postiçamente a minha desimportância em sua biografia insistindo em executar Vida Louca Vida como parte vívida e inalienável da obra do meu amigo. Dá pra entender? Não."


Confira o vídeo de “Perfect Strangers” do novo DVD do Deep Purple

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:43

0



O DVD "Perfect Strangers Live" tem previsão de lançamento para 14 de outubro. O show foi  realizado  em Melbourne, Austrália, no ano de 1984.

Confira:




Megadeth tocará com orquestra

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:59

0


Em entrevista ao  Las Vegas Sun, Dave Mustaine revelou que o Megadeth tocará em um show com a Orquestra Sinfônica de San Diego. Em abril deste ano, o músico já tinha se apresentado com o conjunto. “Será uma grande experiência sônica. Vamos incluir peças conhecidas de Vivaldi e substituiremos as partes de violino com guitarras. É tudo que posso dizer no momento”.

A data da apresentação ainda não foi divulgada.




Scott Ian: novo trabalho do Anthrax a caminho

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:57

0


O novo álbum do Anthrax parece já estar a caminho. Foi o que anunciou recentemente o guitarrista da banda, Scott Ian. O músico anunciou nas redes sociais que começou a trabalhar em faixas para o próximo disco  junto do baixista Frank Bello e o baterista Charlie Benante.

O novo trabalho da banda marcará a estreia do músico, Jon Donais.


Metallica: Through The Never estreia no Brasil

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:51

0


“Through The Never” já tem data para estrear no Brasil: 27 de Setembro, assim como nos Estados Unidos.
O filme apresenta duas narrativas: um show do Metallica e uma história sobre o roadie da banda (Dane DeHaan). Em um momento do filme as duas histórias se juntam.


Banda boa de um disco só: Edge

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:15

0




Por Rose Gomes

No mundo maravilhoso do Rock and Roll existem diversas bandas, milhares de integrantes, projetos e formações infindáveis. Muitos acabam por juntar os melhores músicos de determinados grupos que conseguem a proeza de formar uma nova super banda. A maioria desses projetos acaba não seguindo em frente, mas rende bons discos. Por outro lado, também existem aquelas bandas que se formam, gravam um disco e somem totalmente, o que as vezes torna o único álbum lançado uma verdadeira raridade, caso da banda Edge.

O Edge teve vida breve, mas felizmente o único disco feito pelos caras é de excelente qualidade. O grupo americano foi  formado na década de 70 e contava com os ex- integrantes da banda The American Revolution:  Richard Barcellona (guitarra, vocal), John Keith (baixo e teclado),Gallen Murphy (guitarra, baixo  e vocal) e David Novogorski (batera).

O som do disco homônimo, debut e filho único da banda traz um hard setentista que em certos momentos lembra bandas como Led Zeppelin e Guess Who, com pitadas de progressivo e blues. Tudo muito bem acompanhado do  órgão Hammond que dá o toque final e preciso às canções.







Os destaques do disco ficam por conta das faixas “Callin’ Out” que abre o álbum já mostrando a carga hard da banda, “A New Breed Of Man”, “Lady Of Darkness” que traz viradas alucinantes e batida setentista, “Starvin’ Man” que em alguns pontos remete delicadamente a Led Zeppelin e nos presenteia com um belo solo de batera, a brilhante “Money Slave” e “Movin´ On” que traz riffs poderosos. Os vocais cheios de intensidade de Barcellona também dão um show a parte.






Este disco, obra única da banda que veio a se separar pouco tempo depois de seu lançamento é uma veradeira aula de boa música e nos  mostra que muitas vezes vale a pena dar aquela garimpada em busca de raridades.


1.Callin’ Out
2. Sing Your Song
3. A New Breed Of Man
4. Lady Of Darkness
5. Movin’ On
6. The Story Of Angelique
7. Starvin’ Man
8. Ribbon And Bow
9. Money Slave
10. Movin’ On [alternate bonus track]







Dream Theater: ouça "The Looking Glass"

Posted by TRMB | Posted in | Posted on 07:35

0

Mais uma faixa do novo álbum do Dream Theater, Dream Theater, foi divulgada. Desta vez em um programa de rádio, por isso a qualidade um pouco baixa do áudio.

A banda faz hoje um stream do disco completo no site da Prog Rock Magazine

Enquanto isso, ouça 'The Looking Glass':








Ghost: Il Padre Il Filio Et Lo Spiritus Malum.

Posted by João Carlos Martins | Posted in | Posted on 21:29

0

Senhoras e senhores,

Gostaria de interceptar suas vidas por alguns minutos, pois hoje a conversa será em torno de uma banda que está em grande evidência atualmente e é considerada um dos fenômenos no mundo do Rock, hoje a coluna tem o prazer de apresentar Ghost.




Integrantes: Papa Emeritus II (Vocal), Nameless Ghouls I (Guitarra-solo), Nameless Ghouls II (Guitarra), Nameless Ghouls III (Baixo), Nameless Ghouls IV (Teclado) e Nameless Ghouls V (Bateria).

Ghost não é nenhuma novidade neste blog. Já houveram outras resenhas e informações a respeito, porém decidi ser este o tema de hoje porque tem tocado com muita frequência na redação.
Suecos, iniciaram suas atividades no ano de 2008 d.C com o single Elizabeth, cujo o qual foi peça fundamental para seu primeiro álbum de estúdio, o canonizado Opus Eponymous no ano de 2010 consequentemente. Indubitavelmente ele reapresentou ao mundo da arte, nesse caso a música, algo que há tempos deixara de ser uma característica das bandas, a entrega à sua temática.



Essa afirmação dá-se pelo fato não de apenas criarem dois discos, nos quais falavam de assuntos religiosos, sem deixar fugir em nenhum instante essa vertente, mas também porque não deixaram de se apresentar da forma que foram propagados ao mundo, com rituais, caracterizações, dramatizações et cetera. Isso evidentemente não é o que mais deve influenciar o gosto do ouvinte, embora seja incontestável que suas canções têm excelente técnica, com uma mescla de Rock clássico com Heavy Metal. O que está sendo posto em pauta é o diferencial, o adendo, o acréscimo, ou seja, além de serem ótimos músicos também são grandes encenadores tendo em seus shows amostras de obras Renascentistas, para assim retomar ao contexto religioso do qual abordam, sem em nenhum momento deixar seus "personagens" de lado. 


Notadamente Ghost atingiu um nível que bandas hoje tidas como clássicos do Rock demoraram a alcançar, pois desde o primeiro álbum, acima citado, já são vistos com bons olhos pela crítica especializada, barganharam muitos fans, estampam capas de revista pelo mundo todo, nada que qualquer outra não possa ter conseguido, com a ressalva de que Ghost chama a atenção de qualquer um desde suas faixas até seu dilatador anal. Claro que o marketing é o forte da banda e se, com toda a certeza, mais bandas fizessem o que eles fazem, os aclamados festivais de "Rock" que existem no Brasil e pelo mundo a fora também, não teriam que ouvir tantas queixas a respeito da presença de artistas Pop, que justiça seja feita, são quem sustentam essas grandiosidades exacerbadas das quais não possuem bandas de Rock com capacidade o bastante de vender todos os ingressos, ou quem sabe não existam tantos rockeiros assim como se pensa, apenas um grande número de não-praticantes. 

Infestissumam, álbum recém lançado em 2013 teve repercussão ainda maior que o anterior, devido ao impacto que causara, e correspondeu a todas as expectativas, quiçá até as superou, pois acrescentou muito mais técnica para as gravações e com um aspecto muito mais conceitual que o anterior ditou o ritmo de um dos concorrentes a melhor do ano.



Com dois hits já antes conhecidos, Secular Haze e Year Zero não foi difícil de se colocarem no topo. Com um vídeo oficial de Year Zero, aqueles que os seguem puderam conhecer a verdadeira face de Papa Emeritus II. O vídeo exige o login para poder ser assistido, a versão encontrada já é censurada, contudo exige o login mesmo assim.


Minhas considerações finais apenas vêm para corroborar aquilo que já está sendo dito, Ghost é, de fato, uma banda que mudou alguns ideais no que diz respeito a monotonia que estávamos habituados. Se será duradouro não sabemos, mas que seja eterno enquanto dure. Amém.

Observações:


  • Não me importa muito a questão semântica que cada banda aborda, gosto de bandas como um todo. Digo isso por não acreditar em nenhum tipo de religião, antes que me julguem como satanista;
  • Conheci por intermédio de um amigo na academia que frequentava, do qual me recomendou e foi categórico ao dizer que era o tipo de banda que eu gostava;
  • Sim, eu frequentava academia.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...