James Hetfield cinquentão!

Posted by TRMB | Posted in | Posted on 08:19

0

Aqui vai uma pequena linha do tempo em homanegam ao 50 anos que James Hetfield completa hoje, com mais de 30 deles dedicados ao metal e ao Metallica.


1983




1984




1986




1988




1991




1997




1999




2003




2008




2011




2013








Emperor retorna em 2014!

Posted by TRMB | Posted in | Posted on 08:03

0

A lenda do Black Metal Emperor anunciou seu retorno aos palcos para apresentação no Wacken Open Air de 2014, com mais datas a serem anunciadas em breve!




Via Metal Hammer

Carcass: triunfal retorno em estúdio com "Surgical Steel"

Posted by TRMB | Posted in | Posted on 08:35

0

Poucas bandas conseguem lançar um disco de canções inéditas após um longo período e empolgar tanto como fez o Carcass com Surgical Steel (via Nuclear Blast, produzido por Colin Richardson).


Sem lançar álbum de estúdio desde 1996, com Swansong, os ingleses finalmente decidiram voltar a ativa no mercado de discos e acertaram a mão em cheio. É para ouvir com um sorriso no rosto da primeira à última faixa, tamanha a qualidade do material que a banda apresentou.



E isso já começa na primeira composição, a intro 1985, que na verdade são belos riffs de guitarra old school, bem anos 80, seria uma faixa que poderia facilmente ter sido composta por K.K. Downing e Glen Tipton. E é uma bela melodia! Parece até um aviso: ouçam esta bela melodia, porque daqui em diante será só desgraceira!

E o aviso é cumprido, na sequência já vem a quase hardcore Thrasher’s Abattoir, que tem menos de dois minutos de duração e é uma pancada.
O trabalho de guitarras em Surgical Steel (em todos os quesitos: riffs, solos, execução, som, timbre, produção, etc) é sensacional. Bill Steer gravou todas as guitarras e é o meu destaque do álbum todo, principalmente mostrando que Michael Amott (seu ex-parceiro de banda, que deixou a banda para focar em suas outras bandas) não fez falta no resultado final.

Bill é acompanhado pelo também lendário Jeff Walker (vocal e baixo) e pelo novo membro Dan Wilding (bateria). De maneira geral, o Carcass seguiu a sonoridade que apresentou em Necroticism (1991) e Heartwork (1993), o death metal e o death metal melódico.

Ao vivo algumas das canções tendem a ser grandes destaques, por exemplo a faixa Noncompliance to ASTM F899-12 Standard, que possui grandes duetos de guitarra (o guitarrista Ben Ash será o segundo guitarrista da banda ao vivo), uma levada empolgante e um groove lindo no final.

As guitarras “gêmeas” aparecem diversas vezes ao decorrer do trabalho e The Granulating Dark Satanic Mills é quase um “Thin Lizzy death metal”, ótima canção! Empolgante! A faixa mais longa – e última – é Mount of Execution, que tem uma levada bem heavy metal tradicional – se em 1985 você consegue imaginar K.K Downing e Glen Tipton tocando, aqui você consegue ouvir Adrian Smith e Dave Murray nas estrofes – e é um grane encerramento com um refrão forte e pesado, até a canção encerrar no groove em fade out.

É difícil não destacar todas as faixas do disco. O Carcass lançou um trabalho que vai direto à briga pelo topo dos melhores lançados este ano. Canções como Cadaver Pouch Conveyor System, A Congelead Clot of Blood e Captive Bolt Pistol (a primeira a ser liberada para os fãs) estão aí para provar isso.

O gigantesco Carcass finalmente voltou. E voltou em grande estilo, pronto para abrir sua cabeça e despedaçá-la em mil pedaços durante os 47 minutos desse álbum que marca não só 2013, mas o próprio gênero do death metal melódico em si.



E tem mais: a banda gravou quatro canções que ficaram de fora durante o processo de gravação do álbum, sendo elas A Wraith in the Apparatus, Intensive Battery Brooding, Zochrot e Livestock Marketplace. Mais coisa boa está para vir por aí.

Carlos H. Silva

Nota: 9.5



1. 1985
2. The Master Butcher's Apron
3. The Granulating Dark Satanic Mills
4. A Congealed Clot Of Blood
5. A Wraith In The Apparatus
6. 316l Grade Surgical Steel
7. Cadaver Pouch Conveyor System
8. Captive Bolt Pistol
9. Intensive Battery Brooding
10. None Compliance To Astm F899-12 Standard
11. Mount Of Execution

Iron Monkey: O que pouca gente teve a oportunidade de conhecer.

Posted by João Carlos Martins | Posted in , | Posted on 23:52

0

Quem acompanha este blog sabe que eu as vezes falo de uns outros estilos dos quais fogem do que dita o ritmo dessa coluna e hoje será e não será muito diferente. Falarei de uma das subdivisões do Rock, ou do Heavy Metal, como preferir, que é um dos irmãos que tem o Stoner, chamado esse de Sludge. No meio do Sludge Metal podem ser encontradas diversas bandas das quais jamais chamaríamos por esse nome, quando associada sua sonoridade a outros gêneros que já conhecemos, posso citar aqui algumas que servem para conhecimento, por exemplo: Indian, Ice Dragon, Mastodon, cujo o qual foi tema de nossa conversa na última semana e outras mais.
A banda dessa semana será uma que, infelizmente, já não está mais na ativa, mas que fez um tremendo barulho no seu tempo de brutalidade. Vamos logo então ao que interessa, Iron Monkey é quem dita hoje a nossa mixtape!



A banda teve suas atividades interrompidas devido a morte de Johnny Morrow, vocalista que foi encontrado morto em seu apartamento no dia 22 de junho de 2002, vítima de parada cardíaca, provavelmente ocasionada devido a uma doença renal que havia tido há algum tempo.


Originalmente formada por Justin Greaves (Bateria), Johnny Morrow (vocal), Jim Rushby (guitarra), Steve Watson (guitarra-solo) e Doug Dalziel (Baixo). Os ingleses lançaram seu primeiro álbum, o homônimo Iron Monkey em 1996 e relançado em 1997, do qual fora visto com bons olhos pela crítica especializada, que por sinal não perderia a oportunidade de cobrar um melhor como segundo registro da banda, e sabe o que eles fizeram? Não decepcionaram nem um pouco, lançando o arrebatador, quiçá até mesmo grotesco Our Problem (1998), álbum esse que trataremos de falar aqui e agora.


Treze são as faixas desse disco, porém apenas oito são canções de fato... difícil de entender? Pois é, não me pergunte o porquê mas as entre #8 e #12 levam o nome de Silence e literalmente são um silêncio, não falam nada e todas tem 0:13 segundos, loucura. Entretanto as que são com instrumentos e vocais, definitivamente trucidam qualquer tipo de ouvido que goste de um bom e velho, vulgarmente chamado, Rock Pauleira. Inicia com a nervosíssima Bad Year, sob uma temática de homicídio, fraudes, coação entre outras atrocidades, das quais mais vale ouvir do que ler.


Em seguida temos, a que penso, ter feito mais sucesso, pois já ouvi em alguns filmes, chamada Supagorgonizer, que incontestavelmente tem um riff, com o perdão da palavra, fodidasso e é Rock ‘n’ Roll do início ao fim, com uma pegada meio Zepp e com aquela maneira Sabbathiana também, que diga-se de passagem toda banda malvada adere sem muita cerimonia, os caras mandam ver em altíssimo nível, sente o drama.


Chega a dar medo desse jeitão que só o Morrow tinha. Boss Keloid vem na sequência dando mais uma pedrada nas orelhas e vale, também, muito a pena conferir e ressaltar que apesar de fazerem um som do pântano, eles não eram nenhum pouco amadores, tinham ótimas influências, chegaram a tocar com o Eletric Wizard. Digo isso, pois Rock não se faz de qualquer jeito como alguns pensam. O instrumental da banda era extremamente alinhado e não fazia questão nenhuma de esconder suas referências em bandas de Heavy Metal setentistas. Dá o play aí e confere.


I.R.M.S. é a faixa seguinte, lamento por não saber o que significa realmente a sigla, mas há quem diga que na verdade seria uma menção à A.R.M.S. fazendo crer que havia algo relacionado a guerras e etc., que a propósito não é de se desconsiderar a possibilidade já que os ideais deles eram bem politizados. 



Quando citei lá no início do post que o tema de hoje fugiria do mundo Stoner, disse por uma questão de nomenclaturas apenas, já que fazendo uma comparação, Iron Monkey teria tudo para enquadrar-se nesse mundo, já que manda um som pesadão, sujo, com mais riffs que solos, baixo constantemente alto, a única coisa que irrefutavelmente cria um abismo entre os gêneros fica por conta do vocal, guturalíssimo de Johnny Morrow ao estilo “rasgado”, que por sinal era o que diferenciava a banda. Berros monstruosos, assustadores, terríveis, enquanto a criatura que os eloquia ficava correndo e pulando no palco.

House Anxiety e 2 Golden Rules são as que vêm consecutivamente, que praticamente tem a mesma pegada, porém a primeira citada mais agressiva no início e depois numa marcação meio parecida com os trítonos de Tony Iommi em Black Sabbath, enquanto na posterior a introdução é mais compassada e o restante violentíssimo.
Para encerrar as cantadas temos 9 Joint Spiritual Whip, que assustadoramente igual as anteriores, contudo diferente, pois tem 19 minutos e 58 segundos de duração, sendo grande parte deles de barulhos, é isso mesmo, barulhos. A música, por volta de 04:20 dá uma virada completamente distinta daquilo que estava tocando e atinge seu ápice mais ou menos em uns 05:30 onde arregaça tudo! Permanece até uns 13:30 variando na sonoridade, até que decidem só “barulhar”, abusam de microfonia, ouvem-se vozes ao fundo, perceptivelmente nada é tocado. Quem quiser pode conferir abaixo



Ainda resta a última do disco, a que leva o nome do álbum, Our problem usa uma guitarra, que parece desafinada e bate nela durante uns treze minutos, vez ou outra com acompanhamento da bateria. Não deve significar nada além do encerramento do trabalho dos caras. O que vale a pena prestar atenção é no momento em que uma tosse bem ao estilo Sweet Leaf é solta, aproximadamente aos 09:14. É inegável que os caras criaram uma banda com excelentes influências.


BÔNUS TRACK!
Só para dar uma exemplificada no que disse quanto a performance ao vivo da banda, fiquem agora com Bad Year outra vez, mas obviamente num show, para que assim possam concordar, ou não com aquilo que disse.


E por hoje é só galera, até a próxima! \m/

Confira a capa e o tracklist de "Fortress" , novo álbum do Alter Bridge

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 09:23

0




Confira o tracklist de Fortress:

01. Cry Of Achilles
02. Addicted To Pain
03. Bleed It Dry
04. Lover
05. The Uninvited
06. Peace Is Broken
07. Calm The Fire
08. Waters Rising
09. Farther Than The Sun
10. Cry A River
11. All Ends Well
12. Fortress



Roger Taylor: primeiro álbum solo em 15 anos

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 09:21

0



Roger Taylor, eterno baterista do Queen, revelou que finalizou os trabalhos de seu primeiro álbum solo em 15 anos.
"Estou animado de finalmente ter acabado meu álbum, que será chamado 'Fun On Earth'", postou Taylor na última terça.
O tracklist e a data de lançamento serão anunciados em breve.
Este é o quinto álbum solo de Taylor desde "Electric Fire" de 1998.



Trivium toca música nova em show. Confira!

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 09:06

0



Em show na Romênia no dia 28, o Trivium tocou uma nova música, que fará parte do próximo álbum da banda.
“Brave This Storm” é a primeira faixa revelada do álbum que deve ser lançado ainda este ano. O CD conta com a produção de David Draiman, do Disturbed.

Confira:


Via Wikimetal

Five Finger Death Punch: mantendo a pegada em novo trabalho

Posted by TRMB | Posted in | Posted on 19:20

0

Uma das maiores bandas do chamado “metal alternativo” ou “groove metal” norte-americano, o Five Finger Death Punch (5FDP) chegou ao seu quarto álbum que tem o gigantesco título The Wrong Side of Heaven and the Righteous Side of Hell, Volume 1 (o volume 2 está previsto para este ano ainda) para se firmar na posição tendo menos de 10 anos de existência.

Produzido por Kevin Churko, o disco tem ótimos riffs, grooves e solos, levando um prato cheio ao tipo de público da banda.



O primeiro single e faixa de abertura é Lift Me Up, quem tem participação de ninguém mais, ninguém menos do que o próprio “metal god” Rob Halford (Judas Priest), em uma das melhores canções de The Wrong Side of Heaven..., com boas linhas vocais de Rob, que usou seu lado mais rasgado e agressivo - e ainda há espaço para um dos solos de guitarra mais bem encaixados de todo o trabalho.



Outro que marca presença é o brasileiro Max Cavalera (Soulfly, Cavalera Conspiracy) na canção I.M. Sin – e cantando em português. Aliás, um detalhe interessante é que a faixa aparece duas vezes no disco. Uma com Max e uma sem Max. A canção parece ter sido a escolha ideal para a participação do Cavalera, pois a letra é típica de Max (versos como "eu não vou me vender, nunca fiz e nunca farei" e etc) e o groove da canção também caiu bem para o vocalista.


Watch You Bleed tem passagens “radiofônicas” (candidata a future single) enquanto canções como Dot Your Eyes (com participação de Jamey Jasta, do Hatebreed), You e Burn MF mostram toda a influência que o groove do metal americano dos anos 90 exerce nesta geração.

Outra interessante é Mama Said Knock You Out, um cover de LL Cool J., justamente por ouvirmos como a banda se virou para fazer uma versão “metal” de um clássico rapper.

Anywhere But Home com um refrão emocional e Diary of a Deadman, que em alguns momentos beira o metal progressivo, também são boas canções. O disco ainda conta com as pseudo-baladas M.I.N.E. (End This Way) e Wrong Side of Heaven, que até agradam, mas a banda empolga mais quando foca no som pesado.

Com certeza não decepcionará os fãs do estilo.


A banda é composta por Ivan Moody (vocal), Zoltan Bathory (guitarra solo), Jason Hook (guitarra), Chris Kael (baixo) e Jeremy Spencer (bateria). 

Por Carlos H. Silva

Nota: 7.0


01. Lift Me Up (Feat. Rob Halford do Judas Priest) 
02. Watch You Bleed 
03. You 
04. Wrong Side of Heaven 
05. Burn MF 
06. I.M.Sin 
07. Anywhere But Here (Feat. Maria Brink do In This Moment) 
08. Dot Your Eyes 
09. M.I.N.E (End This Way) 
10. Mama Said Knock You Out (Feat. Tech N9ne) 
11. Diary of a Deadman 
12. I.M.Sin (Feat. Max Cavalera) 
13. Anywhere But Here  
14. Dot Your Eyes (Feat. Jamey Jasta)

Ouça "Come Back As Me" , nova música de Richie Sambora

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 16:43

0



Richie Sambora divulgou esta semana a música "Come Back As Me". A canção não faz parte do último álbum do músico, Aftermath of the Lowdown.

Não há confirmação da vinda Sambora para o Brasil com o Bon Jovi em setembro.

Confira a faixa:



Agenda - Agosto

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 11:02

0



Angra
01/08 - Porto Alegre – RS
03/08 - Uberlândia -  MG
04/08 - Belo Horizonte – MG
18/08 - Salvador – BA
25/08 – São Paulo –SP


Paramore
02/08 - Curitiba – PR
04/08 – Porto Alegre –RS


Vader
02/08 -  Recife – PE
03/08 – Salvador – BA
05/08 – Rio de Janeiro – RJ


Papa Roach
07/08 – São Paulo – SP
08/08 – Rio de Janeiro – RJ
09/08 – Curitiba – PR


Joe Bonamassa
08/08 – São Paulo –SP
11/08 – Rio de Janeiro – RJ


Paralamas do Sucesso
10/08 –Fortaleza – CE


Peter Murphy
14/08 – São Paulo – SP


Raimundos
22/08 – Sorocaba – SP


Plebe Rude e Marcelo Nova
24/08 – Curitiba – PR


Soulfly
23/08 – Manaus – AM
24/08 – Fortaleza – CE
25/08 – São Paulo - SP
27/08 – Rio de Janeiro - RJ
28/08 – Porto Alegre - RS










Bill Ward não descarta participação no Black Sabbath

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 10:53

0


Bill Ward, lendário baterista do Black Sabbath, revelou em entrevista ao Guitar International dessa semana que faria um show completo da banda. “Eu sou o baterista do Black Sabbath e muito capaz de fazer o trabalho”

O baterista ainda falou a respeito do contrato que teria com a banda:“Eu prometi a mim mesmo e a minha família que eu nunca mais assinaria um contrato que não fosse assinável. Foi uma das decisões mais difíceis que tive que tomar, pois eu definitivamente queria ter tocado. Todos pensam que eu sai da banda, mas não foi assim. Eu só não assinei e as coisas tomaram seu rumo.”

A respeito dos elogios de Ozzy sobre seu trabalho Ward foi enfático: “Todas as delicadezas e tentativas de apaziguamento não significam nada se eu não recebo um contrato justo.”

O Black Sabbath toca no Brasil em outubro.


SOAD: promessas de um novo álbum

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 10:44

0


Ao final de um show realizado recentemente no Hollywood Bowl, em Los Angeles, o baterista do System Of A Down, John Dolmayan, fez uma promessa que animou os fãs da banda: “Da próxima vez que tocarmos aqui, nós teremos um novo álbum”.

Vale lembrar que há meses atrás o baixista Shavo Odadjian postou no Facebook uma crítica ao vocalista Serj Tankian pela demora com o novo álbum.Tankian respondeu ao colega de banda na semana seguinte: “Não é como fazer uma pizza”.

Atualmente Serj Tankian trabalha em dois projetos paralelos, de jazz progressivo e sinfonias e ano passado lançou um CD solo. Já o último CD do System of a Down Mesmerize/Hypnotize foi lançado em 2005.


Soulfly: detalhes do próximo álbum

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 10:32

0



O novo álbum do Soulfly, intitulado "Savages" tem previsão de lançamento para o dia 4 de outubro, via Nuclear Blast. Estará disponível em CD, LP e formato digital.


Filme sobre Hendrix chega em setembro

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 12:18

0



A cinebiografia  de Jimi Hendrix  intitulada “All Is By My Side”  estreará  no Festival Internacional de Cinema de Toronto, em setembro, segundo confirmação dos produtores.

O filme é estrelado por Andre Benjamin, mais conhecido como Andre 3000 do grupo de hip-hop Outkast  e conta a história de ascensão do ícone da guitarra ao longo de dois anos, começando em 1966. A data de estreia exata será confirmada no próximo mês.
Enquanto isso há um documentário também sobre o guitarrista, chamado  Jimi Hendrix: The Guitar Hero que será lançado em 7 de outubro. Narrado por Slash, o documentário inclui imagens inéditas de arquivo, entrevistas  e cinco horas de material extra.

Por aqui ainda não há previsão de lançamento.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...